domingo, 19 de abril de 2015

Reflexão... Desabafo

Aqui fica mais um texto escrito por um nosso conterrâneo.



 
 
 
IMPUNIBILIDADE
 
           Um assunto incomodativo e pertinente que causa, tanto a mim, como a tanta gente, confusão.
           Exploremos entao o assunto:
           Estamos fartos de ver, e ouvir falar, de crimes hediondos praticados por pessoas supostamente perturbadas, sem capacidades de discernimento entre o bem, e o mal.
           Será mesmo isso que acontece, ou o instinto da brutalidade dita que faça oque bem entender, fazendo assim demonstrar que fez, e que voltaria a fazer o mesmo, sem temer as concequencias dos seus atos?
           Nao será  uma forma de se afirmar como um diferente estupido, impondo a sua irreverencia do "quem manda sou eu"!?
           È bem verdade que, há muitas pessoas com queixas da vida, mas nem por isso andam á procura de uma vítima para se vingarem.
           Quantas vezes já aconteceu, que a vítima teria mais queixas da vida, que o próprio agressor?
           Não aceito a tese da impunibilidade. Pelo que tenho observado ao longo da vida, não são os denominados débeis mentais, que cometem as mais bárbaras atrocidades. Muito pelo contrário, demonstram docibilidade e boas maneiras de interação.
          Custa-me a crer que, por muito perturbada que esteja uma pessoa, esta não consiga distinguir o bem do mal, o certo do errado.
          Se partirmos deste princípio, todos nos podemos escorar nele.
          Como condenar e punir os assassinos ghiadistas, que querem impor através do terror, a sua ideologia sem o mínimo de respeito pela vida dos outros e deles próprios?!
          Se um homem destes for avaliado mentalmente por um psíquiatra, oque dirá ele?!
          Pressupomos que, o quadro mental e psicológico deste homem é o seguinte:
          Sofreu uma lavagem cerebral, foi-lhe imposta uma ideologia destorcida, fanatizou-se e perdeu a razão.
          Mas atenção, a culpa não foi dele.
          A culpa foi do profeta que o converteu.
          Resultado da avaliação: IMPUNE!!!
          Será que não dará jeito, em certas ocasiões, a perca da memória ou do raciocínio para justificar o injustificável?!
          Observação: Pense nisso...
                                                                                                                                                                                                       F. S.                                                               




                                             
 

 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário